segunda-feira, 26 de abril de 2010


Amanheceu. Logo percebi que continuava chovendo, mas dessa vez, a chuva estava mais forte...
5:00hrs da manhã, ta na hora de levantar da minha cama quentinha... L-E-V-A-N-T-A!!! Parecia que meu despertador gritava comigo, desesperado para eu nao perder a hora.
Acordei, levantei, me arrumei, saí.
Com aquela chuvinha gostosa, meu maior sonho naquele momento, era voltar correndo para os braços aconchegantes da minha cama, que já não estava mais tão quentinha assim àquela altura...
Maaaaaaas, eu tinha que ir e deixá-la lá, chorando. (ooh =/ )
Entrei no "Especial" e me deparei com aquela típica cena de segunda-feira: MAL HUMOR ESTAMPADO NA CARA DE TODO MUNDO. Sem exceção. Parecia que todas aquelas pessoas eram capazes de matar uma as outras, apenas com o olhar estressado, cheio de raiva daquela chuva toda.
Foi quando pensei: "Hoje, escrevo no blog". E eu ri. Fiquei rindo feito uma boba alegre em meio a um monte de rabugentos. Tudo bem...
Depois do "Especial" vomitar todo mundo no terminal, cada um foi para um canto, levando suas amarguras consigo e espalhando suas sementinhas azedas para as outras pessoas. Segui o meu caminho, entrando em outro ônibus, nada especial pra mim.
Depois de brigar pelo meu espaço na fila daquele tubo lotado, sosseguei. Fiquei pensando em como estava gostando daquele clima friozinho...Huuum... Tão bom!!!
Quando o ônibus chegou, as pessoas iam se empurrando, entrando descontentes por terem ficado sem bancos para sentar. Fui em direção a um banco unitário, para contemplar minha felicidade sozinha... maaas, veio um cara na mesma direção e perdi a disputa, olhando pra ele com um ar de reprovação, foi instantâneo...
Fui em outra direção e lá estava, um banco lindo e vazio me esperando... Fui em sua direção e sentei, feliz da vida.
Não pude ler, o motorista apagou a luz. Não consegui dormir e fiquei lá, fingindo ver algo através do vidro embaçado.
Quando finalmente parei de viajar na minha maionese, vi uma mariposa escorregando pelo vidro, querendo voar, batendo suas asas bem depressa, tentando agarrar o vidro com suas patinhas ásperas. Inútil. Ela continuava patinando, feito patinação na neve. Fiquei com dó dela, mas depois achei um pouco engraçado.
Depois de rir muito dentro do ônibus - rir de mim, rir das pessoas, rir da vida - desci e cheguei ao meu destino.
Fiquei pensando que gostaria de escrever isso tudo aqui, para não esquecer como começou bem minha manhã de segunda-feira...
Talvez eu queira fazer isso mais vezes... Quem sabe =)
Bjo.


(hahaha, visite: www.aline.com ;D )

terça-feira, 20 de abril de 2010

é...





Cada um carrega dentro de si, o motivo pelo qual quer caminhar, pelo qual quer ficar em pé, ou se cair, a razão por querer levantar... E recomeçar!
Olhar pro alto, respirar fundo, lutar para não chorar...
Mandar o medo pra longe e trazer esperança no bolso.
Cair não é fácil... Crescer e amadurecer é uma tarefa dolorosa, muitas vezes... Mas é necessário.
É necessário aprender que todo caminho, por mais florido que seja, tem, em algum momento, os seus buracos...
E é assim...
Difícil mesmo é se manter em pé! Sempre em pé...
Onde cada passo é um risco!

quinta-feira, 15 de abril de 2010


Deficiências (Mario Quintana)

Deficiente é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.

Cego é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.

Surdo é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou um apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.

Mudo é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

Paralítico é quem não consegue andar em direção daqueles que precisam da sua ajuda.

Diabético é quem não consegue ser doce.

Anão é quem não sabe deixar o amor crescer. E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:

Miserável é aquele que não consegue falar com Deus.

terça-feira, 13 de abril de 2010


Todo cabelo cai, toda criança escorrega, todo adulto tropeça.
Todo mundo chora, toda tristeza tem fim, todo dia é um novo recomeço.
Toda tempestade passa, todo verão vai embora, toda dor evapora.