domingo, 27 de junho de 2010

É hoje!


Acordei e olhei pela janela e tive o mais lindo Bom Dia. Me deparei com um céu azul, um sol brilhante, um ar fresco e um novo dia para começar...
Então, decidi ter um dia novo, novo de novo, mais uma vez.
Estava aqui pensando e acredito que hoje é um dia especial. É hoje que eu posso voar. É hoje que eu posso escalar montanhas. É hoje que posso beber da mais pura água e sentir o vento mais fresco no meu rosto. Hoje, posso correr sem limites, posso pular mais alto, escutar uma nova música, compôr uma nova melodia, abraçar alguém especial, conhecer a mim mesma, matar a saudade aqui dentro do peito.
Hoje, eu posso abraçar mais forte.
Hoje, eu posso amar mais uma vez, posso correr risco, aproveitar uma chance e conseguir.
Hoje, eu posso amadurecer... Posso ouvir uma nova história e rever meus pontos de vista...
Hoje eu posso cair, posso me machucar, posso me decepcionar... Mas posso recomeçar sem medo.
Hoje, sou reflexo do que aconteceu ontem, e é no hoje que o amanhã vai se basear...
Hoje eu quero sorrir.
Quero sentir alegria, escrever uma carta, olhar um velho álbum de foto e me sentir bem...
Hoje pode ser o dia mais incrível do mundo... E isso depende de quem?
Já ouvi muitas pessoas dizerem que a felicidade está dentro de nós. Já falei isso, verdadeiramente...
Então, quando é que a gente encontra essa felicidade? Quando é que nós nos propomos a encontrar essa felicidade de verdade e não apenas dizer "eu sou feliz" e nem pensar sobre isso?
Hoje é o dia. É hoje, somente hoje, que você pode pensar sobre isso. Somente hoje que seu dia pode valer a pena. Somente hoje você pode buscar a felicidade que tanto a gente ouve falar...
É sua chance! É a minha chance!
Hoje é o dia ideal para pedir desculpas, é o dia ideal para perdoar alguém.
É o dia ideal para escrever um bilhetinho, dar um bom dia animado, roubar uma flor, tirar uma bela foto, abraçar sinceramente, e ser feliz.
Hoje é a única chance. É a única chance de acreditar que você pode mudar a sua vida. É a oportunidade que você tanto esperava. Ta aí, a sua oportunidade acaba de nascer e está pronta para ganhar forma, para ganhar vida!
Hoje é um dia mais que especial.

sábado, 19 de junho de 2010

Bem longe de ser do Primeiro Mundo

Logo de manhã já é possível encontrar a hipocrisia que o discurso de muita gente na mídia mostra. Lá pelas 6 horas da matina já é muito evidente os problemas que encontramos no transporte público.
Já vi e ouvi muita gente expondo sua felicidade por morar em uma cidade onde o transporte coletivo é de 1º mundo, que a qualidade é ótima e as condições de acesso estão cada vez mais facilitadas.
Mas, o que considero mais distorcido é o fato de nunca encontrar essas pessoas nos horários de pique dentro de tubos, terminais e outros pontos de espera de ônibus. As pessoas que vejo, são aquelas pessoas cansadas, não só cansadas de tanto trabalhar durante o dia, mas também cansadas de ouvir sempre a mesma coisa e não notar melhorias.
É também evidente que somente aquelas pessoas que sofrem o processo é que sabem quais os defeitos que se encontram diariamente. É como quando existem aquelas reuniões dentro dos setores de uma determinada empresa e o seu encarregado vai tentar mostrar ao chefe os problemas existentes na linha de produção, sem ao menos nunca ter executado o trabalho e sem saber, realmente, onde são necessários os ajustes.
Então, como é que alguém que anda de carro novo, vai e vem pela cidade sem dificuldade pode saber o que é ou não um transporte de qualidade?
Certamente, se questionarmos aquelas pessoas que necessitam do transporte coletivo todos os dias, nos horários onde existem mais pessoas, elas vão mostrar indignação quando ouve algum “dono da URBS” falando que o serviço está melhorando cada vez mais e é considerado de primeira qualidade. Mas não é. Quem vai em pé, apertado, sem nenhum tipo de conforto, e além de tudo, precisa esperar 30 ou 40 minutos até chegar o ônibus, sabe muito bem que tudo isso não passa de um discurso fraco e mentiroso. O transporte coletivo não é bom, não é satisfatório e está muito longe de ser algo de primeira qualidade.
Sem mencionar também o valor da tarifa. Agora, com chances de aumentar, deixam as pessoas ainda mais indignadas. Usam sempre a mesma desculpa, que a passagem no domingo é mais barata, mas para compensar, aumentam a tarifa dos outros dias da semana, e o serviço prestado continua o mesmo.
E com todos esses problemas, fazendo parte das pessoas que utilizam esse meio de transporte, fico aqui me perguntando, se isso é mesmo transporte coletivo de 1º mundo, como é que são os de 3º mundo? Quais são as condições de transportes inferiores? E qual o discurso dos donos desses transportes e se eles admitem a má qualidade do serviço.
Isso eu não sei. Só sei que quando encontrar uma pessoa que elogia o sistema todo e estiver andando de carro eu vou mesmo é pedir uma carona.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Que tal uma dose de férias?


Leia livros, leia jornal, leia revistas, leia sites da internet. Leia a minha mente.
Talvez esteja mesmo na hora de me desligar do mundo e dormir um pouco mais. Ler algo que me agrade e que, se eu esquecer o livro na cabeceira na cama, não vou tirar zero na prova por não ter terminado de lê-lo.
Que tal curtir as palavras? Ler no ônibus, no quarto, na sala... Sem protetor auricular.
Ler sem compromisso, sem pressa, sem vontade de jogar o livro na parede.
Ler na boa, ficar a toa, dormir e não me preocupar com o tempo...
Ler devagar, entendendo tudo, sem voltar duas ou três vezes para entender um páragrafo de quatro linhas.
Ler coisas que façam rir, chorar, que deixam com incerteza, que despertem paixão... Coisas que me façam refletir sozinha, sem a necessidade de censurar nada.
Ler é bom. Bom pra alma, bom pra cabeça, bom para as palavras... Mas nem tudo é bom de ler...
Detestável é pegar um livro e sentir raiva dele. É não entender nada, sentir vontade de parar e não poder fazer isso.
Agora quero ler algo novo, fora do que sou obrigada a ler sempre. Algo que me envolva e me deixe livre para continuar ou desmarcar a página.
Agora quero ser impaciente, ler com ansiedade para ver logo o que acontece... E, quando finalmente chegar a última página, ver que já acabou... Que eu era feliz e não sabia.
Quero descanso de leituras massantes, de palavras difíceis demais e de tudo que me deixa cansada.
Quero férias de conceitos, de frases estabelecidas e de regras que alguém criou...
Quero poder ser livre para escolher entre o que me faz bem e o que me deixa querendo uma dose de férias.