terça-feira, 20 de julho de 2010

Vem do alto

Hoje tive a oportunidade de presenciar uma cena cativante.
Quando fui ao médico me deparei com algo que nunca tinha visto. Na clínica que eu fui são feitas sessões de fisioterapia. Assim que a secretária me atendeu, chegou uma mulher com uma menina no colo, com alguma deficiência que não sei qual é.
A menina era linda, era alegre e espontânea. Quando o médico a viu, conversou com ela normalmente e naquele momento eu me senti limitada... Limitada porque eu fiquei calada... Eu não conversei com ela, nao disse como era linda e que a sua alegria me contagiava. Me senti limitada por sentir vontade de chegar mais perto, mas nao o fiz.
Depois de falar com ela, o médico pegou a garotinha no colo, como um pai carinhoso, cheio de amor. Conversou com ela, balançou ela e fez ela se sentir bem, mesmo indo para uma sessão de fisioterapia chata e cansativa.
Aquele médico me fez pensar no que realmente vale a pena. Com aquele gesto singelo ele conseguiu me mostrar que seguiu o que seu coração mandava, me mostrou que resolveu fazer na vida aquilo que lhe dava prazer, seguir o dom que Deus havia lhe dado.
Fico aqui imaginando a felicidade que a garota sentiu, já que sua euforia deixava isso muito claro. Fico imaginando a cabeça daquele médico na hora de ir dormir, lembrando de como foi seu dia e dormindo tranquilo por ter feito tudo com carinho.
Lógico, não sei se ele é assim todos os dias, se as vezes bate o cansaço e o desânimo e ele tem vontade de deixar tudo pra lá... Mas sei que hoje, ele me fez refletir...
Me fez pensar como seria bom se todas as pessoas seguissem o seu coração e fizessem aquilo que elas realmente gostam...
Teríamos mais médicos dedicados, os melhores professores, os melhores taxistas, os melhores desenhistas, melhores em qualquer área. Por mais difícil e complexa que ela seria...
E o dinheiro... Ah! o dinheiro... O dinheiro seria uma consequência de um bom trabalho. Seria uma espécie de "recompensa" pelo esforço. Mas, se bem que pensando melhor, quer melhor recompensa do que acordar todos os dias e ficar feliz, por poder fazer algo que gosta e se dedicar sem medo?
Hoje essa cena me fez pensar no que estou fazendo para, além de mim, proporcionar a felicidade das pessoas com o meu trabalho, com o meu esforço.
Sei que as chances daquele médico ler isso são muuuuuito remotas... Mas se ele pudesse ler, eu gostaria que ele soubesse como uma atitude tão singela pode fazer toda a diferença, pode fazer algo tão difícil se tornar mais fácil, e trazer esperança.
Me trouxe esperança... me trouxe esperança...

Nenhum comentário:

Postar um comentário