quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Toque de felicidade

Solidão.
É o que eu senti, durante todo o tempo que estava lá, sentada na areia...
Solidão acumulada, até a tampa, transbordando.
Caminhando, sozinha no espaço, sozinha no tempo, sozinha por dentro, por fora, de todos os lados.
O sol estava brilhando de um jeito diferente. Sem queimar, sem ferir. Brilhando, simplesmente.
O mar agitava-se com paciência, sem pressa das ondas irem embora, para longe de mim... Agitavam com um ritmo confortável, acolhedor...
Sentei e fiquei contemplando minha solidão. A essa altura, já era uma doce solidão. Solidão aconchegante, onde, mesmo estando sozinha, eu estava cheia de sentimentos que me envolviam, me faziam ficar ali e esquecer o resto do mundo.
O melhor de tudo, era o vento... Por mais sozinha que eu estivesse, o vento vinha, me tocava levemente, levava meus pensamentos embora e depois voltava, trazendo consigo toda a felicidade que eu senti naquele momento... E eu senti. Senti de verdade, senti intensamente... Senti tudo aquilo e fui feliz.


Acordei com a sensação de saudade, saudade  e vontade de voltar para lá, mesmo sozinha, mas com o toque de felicidade que só existe dentro da areia, do mar, do vento, de mim e da minha doce solidão...

2 comentários:

  1. Esse texto me tocou profundamente,
    amei o seu cantinho.
    Estou te seguindo. ^^
    Ps: Postei um texto seu no meu blog.
    com os devidos créditos é claro, espero que não se importe.
    beijoos, flor.
    boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Paula! Fico feliz por ter gostado do meu texto, de verdade! Não tem problema ter posto o texto lá não, muito legal da sua parte =)
    Beijão!

    ResponderExcluir