sábado, 31 de dezembro de 2011

Saudades!

Foi quando percebi que o tempo realmente passou...
A vida realmente me levou para o outro lado da ponte, mas confesso que sinto saudade do que ficou lá do outro lado...
Foi quando eu realmente entendi que não éramos mais crianças e que todo aquele tempo bom havia terminado.
Hoje, em um ano novo, percebo que tenho uma vida nova... Não sei o que iria sentir a parte mais nova de mim, não sei o que diria se me visse assim quando era apenas uma criança sonhando com o que eu poderia ser quando crescesse.
O tempo passou e tudo o que consigo sentir é saudade de tudo o que eu vivi e deixei para trás.

Saudades!

domingo, 18 de dezembro de 2011

Certas coisas doem tanto!

Preciso dizer que estou decepcionada.

Preciso soltar toda a tristeza que me invadiu, que me fez pensar que nada do que eu fiz valeu a pena, nem que seja por um instante.

Senti uma imensa vontade de chorar, chorar, chorar...

Fiquei imensamente abalada por ter pensado que eu simplesmente estava sendo uma idiota todo esse tempo e que eu não podia fazer nada para mudar aquilo.

Apenas me prometa que não usará seu sorriso para me enganar...  Que não usará as palavras para se esconder de mim...

"Apenas me prometa que eu nunca vou achar que você finge."


As vezes as pessoas não sabem como certas coisa doem tanto.

=/

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

E eu mudei também


Eu também cresci, também mudei de opinião, de aparecência, de vontades, de gostos...

Também passei a ver as coisas com outros olhos, também senti vontade de descansar no fim do dia.

Assim como as estações, também mudei de humor e de cor.

Mudei a maneira de ver o amor, a dor e a saudade.

Mudei a forma de pensar em "distância" e o jeito como eu consigo lidar com ela.

Assim como você, mudei ao acordar e perceber que a vida toma outros rumos agora...

Mudei ao perceber que os caminhos levam para tantas direções e que as minhas escolhas vão me levar para algumas delas...

Mudei ao entender que o mundo muda...

Além disso, precisamos estar prontos para mudar e não cairmos com as grandes voltas que a vida dá!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Aos poucos...

Aos poucos tudo se ajeita...
As flores ganham vida, o sol nasce outra vez...
As pessoas se entendem, a vida ganha mais cor.
Aos poucos as coisas se encaixam e vão voltando para o seu lugar, calmamente...
As árvores ganham novas folhas, os passarinhos aprendem a voar.
Aos poucos a vida acontece, a gente se esquece das coisas ruins e passa a viver mais.


Com mais brilho, mais som, mais vontade de ser feliz.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Novos passos

Era tudo o que eu queria...

Procurei outros caminhos no pensamento, tentando encontrar algo que me fazia feliz.

Hoje meus passos seguem outro caminho e eu realmente estou bem.

Gosto de lembrar que sou uma aprendiz e só estou aqui para crescer!

Novos rumos!

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Frio e Sol

A primeira coisa que ela pensou quando o relógio despertou foi que ele estava ficando louco, afinal, ainda estava escuro.
Mas ao contrário do que ela imaginava, o dia já havia chegado, pelo menos naquele relógio insistente que há pouco adiantou-se em uma hora.
Com um pouco de preguiça/cansaço/manha ela levantou e jogou uma água gelada em seu rosto.
Aquele poderia ser o dia mais comum de todos... Mas não foi.
Não foi porque com o passar das horas o sol apareceu e o vento gelado também.
E era assim, um dia lindo e frio de primavera.


segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Respire

Estar bem hoje e amanhã querer sumir. Estar em uma tempestade e o sol surgir do nada.

Isso me confunde.

Talvez eu não seja madura o suficiente para entender que o mundo gira. Mas não é somente girar. É girar tão rápido que bagunça tudo o que estava arrumado há pouco.
Os sentimentos mudam tão depressa que acabo não sentindo nada.

As vezes paro para pensar e não sei porque estou me sentindo daquela forma... Pois tudo muda tão rápido que a situação já se alterou e eu não tive nem tempo de notar.

Eu não sei o que as pessoas querem. Não consigo entender onde está a graça de toda essa bagunça.

Confesso que estou perdida nessa caixa de brinquedos. Todas essas cores não fazem sentido, alguém não parece estar feliz.

Se eu pudesse fazer um pedido, juro, pediria que as pessoas parassem, pensassem e começassem a viver a vida com um pouco mais de profundidade!

Sinta mais a sua vida! Não adianta correr o tempo todo. Indo para lugar algum.


Essa foto não é minha!

"Pensamos demasiadamente

Sentimos muito pouco
Necessitamos mais de humildade
que de máquinas.
Mais de bondade e ternura
que de inteligência.
Sem isso,
a vida se tornará violenta e
Tudo se perderá."

Chaplin

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Parede nova

Sorrir enquanto todos brigam.
Cantar enquanto todos choram.
Silenciar enquanto as pessoas gritam e gritar quando o silêncio já não faz sentido

Estar preparado para ver o que falta é mudar a cor da tinta
Escrever na página nova
Colocar o que está dentro para fora.
Sair pela porta aberta
Pintar uma parede nova.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

(Des) necessário

Quando acordo, olho pro teto e percebo que tudo não passou de um sonho.
Falar com Deus é necessário pra mim.
Quando vejo alguém que eu amo, olhar para ele e lhe dar um abraço é necessário pra mim.
Quando estou sob muita pressão e não consigo nem pensar mais, chorar é necessário pra  mim.
Quando estou trabalhando em grupo, respeitar meu colega e não pensar só em mim é necessário pra mim.
Ouvir uma música que me faz sentir vontade de viver muito mais, isso é necessário pra mim.
Olhar para as pessoas que precisam de ajuda e reconhecer sua dedicação, isso é também é necessário pra mim.

Agora, quer saber o que é realmente desnecessário?
É você se sentir tão autossuficiente a ponto de achar que o mundo inteiro está voltado para você. E quer saber? O seu mundo colorido não existe, sua opnião não importa pra todo mundo e ter um rostinho bonito não significa que você tenha essência!




Desnecessário é achar que você é necessário pra todo mundo!

sábado, 10 de setembro de 2011

Leve.

A melhor sensação que eu já experimentei, foi aquela de estar inteira.
Foi sentir que eu estava no lugar certo, na hora certa, no dia e com a pessoa certa.
Muitas vezes essa pessoa certa era eu mesma. Ali, com meus pensamentos, meus sonhos e minha vontade de estar bem.
Digo que essa é a melhor sensação, porque o contrário disso é, ao menos para mim, a pior que eu já provei.
Sentir-se perdido, sozinho, deslocado e incompleto é agoniante.
Hoje as coisas parecem estar todas no lugar. Ou ao menos estão se encaminhando para isso.
Aquela vontade imensa de estar onde eu não estava já não existe mais. Aquela falta de algo já passou e hoje não me faz mais perder o sono.
Mas, me pergunte se algo mudou. Eu vou dizer que não.
Então o que é que fez passar tudo isso?
Não estou com amigos novos, não mudei pra outra cidade, não fiz loucuras e nem voltei pra casa sozinha.
Acredito que o que realmente mudou foi eu mesma. Não sei dizer se isso é bom, se me acostumei com as coisas que eu não gostava, ou simplesmente parei de ver as coisas com um olhar tão pessimista.
Sinceramente prefiro pensar que amadureci, que acordei disposta a ver a vida com um olhar novo e jogar todas as coisas que me incomodavam pela janela... e não mais guardá-las na gaveta escondida para encontrás-las depois.
E é bom me sentir assim. Continuo querendo mudar muitas coisas e ajeitar aos poucos tudo que ainda está fora do lugar... Mas fazer isso sem sofrer e acabar me divertindo com tudo é o grande objetivo dos meus dias.
Além, é claro, de completar todos as peças do meu quebra-cabeça com uma pitada de bom humor, leveza, saudade e vontade de fazer tudo valer a pena.

Essa foto não é minha! Não encontrei o autor da foto.


quarta-feira, 31 de agosto de 2011

"Wake me up when september ends"

E não importa a correria do dia. Não importa a calmaria do final de semana. Não importa quantos dias vamos descansar no feriado prolongado. Mesmo que coisas boas aconteçam, ou que a chuva insista em cair e deixar tudo frio, isso não importa...

Apenas me acorde quando setembro acabar.



domingo, 14 de agosto de 2011

A última folha da estação


O caminho parecia estar completamente traçado. Não tinha lugar para onde correr, aquilo já havia sido feito.


As placas não indicavam um novo rumo a seguir.

Você poderia fazer novas tentativas, ou mudar a forma como via tudo que estava ao seu redor.

A cada passo você sentia a sensação de já ter estado ali... e já esteve, mais uma vez.

As palavras bonitas não preenchem o seu dia com falsas certezas.. talvez elas podiam aliviar a sensação de estar ali, esperando tudo passar.

Não importa quanto tempo você estev e cansado, você precisava continuar caminhando para chegar lá... Onde as coisas fazem algum sentido pra você.

E mesmo que o dia demore para amanhecer, um dia você iria perceber que tudo passou...

Talvez seja difícil ver que o caminho não está, na realidade, completamente traçado. Talvez haja um lugar para onde você possa correr, alguma pequena placa que indique um atalho para chegar lá onde as coisas realmente fazem sentido...

Por mais complicado que seja continuar, esta é apenas a última folha da estação... Depois o tempo muda, o dia passa e as coisas fazem sentido.



Aline Lima na foto de Franciele Fernanda

quarta-feira, 13 de julho de 2011

"Em amor, não há último adeus, senão aquele que se não diz."

E então, se foi.

Quando percebi, já não tinha mais a sensação de estar ali, ao seu lado.
Se foi como a onda se afasta da areia. Se foi como a folha seca, levada pelo vento frio, vai embora pela estrada.

E foi rápido demais. Eu não pude dizer adeus... Eu não pude pedir que ficasse.
Se foi como a abelha que leva o pólen das flores.
E eu não disse adeus.

Quando dei por mim, já caminhava sozinha... Não caí, não chorei, não te disse adeus.
Se foi como as palavras se desfazem quando se joga uma linda carta ao fogo.
O tempo passou, as pessoas se foram, o inverno chegou outra vez.
Cada um foi para o lado que achava ser o mais feliz. Hoje restam apenas fotos com sorrisos que dão saudade. Mas que não dizem adeus.


É como sentar sozinha e ver o pôr do sol morrer a cada minuto. É escrever uma poesia e jamais lê-la... Deixar ela lá no fundo da gaveta, com o adeus guardado.

Sinceramente eu sinto tanta saudade do que já se foi, que não consigo pensar no agora. Não consigo pensar que tudo não passou de um momento ruim e tudo será como antes...
No fundo, no fundo, acabei entendendo que nós não diríamos adeus, e sempre sentimos que isso ia doer demais com palavras...

Apenas soltamos as mãos...

E Hoje? Hoje seguimos nossos próprios caminhos...
Com a estranha sensação de que tudo mudou, e que aquele sentimento se foi...

E não volta mais...


Texto: Aline Lima
Ilustração: Rafael Nagai. (www.nihonjin.com.br/blog)

A frase do título é de Alexandre Dumas

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Mais uma vez

Sinto que as vezes não importa o que eu sinta... Você me faz sentir mais.
E por mais que eu tenha tido uma péssima noite de sono, você sempre está lá com o mais lindo bom dia.
E quando tudo está errado, o seu silêncio vem me fazer sentir mais forte. Ou sinto vontade de sumir, ou de correr... correr para os seus braços.
Suas fotos me fazem sentir a saudade mais gostosa do mundo.... Que é aquela que se pode matar, jogar fora.
E quando estou com medo, trago à memória aquela cena: uma rede, um campo, uma música, um amor pra vida toda.
Ao seu lado me sinto incompletamente completa. É como se colocasse a última peça do quebra-cabeça quando te vejo, mas a tirasse de volta toda vez que vou para casa...
E quero que isso dure para sempre. Onde ninguém pode ver, ninguém pode levar embora. E mesmo que se quebre, eu sinto que te tenho de novo.


De novo, mais uma vez... Te tenho mais uma vez.



Texto: Aline Lima
Ilustração: Rafael Nagai. www.nihonjin.com.br/blog

segunda-feira, 4 de julho de 2011

"E eu vou lembrar..." Agora ilustrado!!! \o/


Esse é o primeiro trabalho de um projeto que vou começar aqui no blog. O ilustrador Rafael Nagai ilustrou meu texto "E eu vou lembrar", que já tinha sido postado aqui no blog e pode ser encontrado aqui (http://alilima.blogspot.com/2011/03/e-eu-vou-lembrar.html ).
Gostei muito desse projeto e espero que a gente consiga fazer coisas bem legais!


Texto: Aline Lima

Ilustração: Rafael Nagai. www.nihonjin.com.br/blog

quinta-feira, 30 de junho de 2011

É como...

Como um doce sentimento que se quebra.
Como um raro movimento que não se repete...
Como o rio que vai embora e não precisa de empurrão.
É coisa simples que flui, sem medo de parecer errada, sem desejo de acontecer mais tarde.
Certas coisas não precisam ser coladas depois que elas vão ao chão e se separam, em pequenos pedacinhos. Não precisam de amparo, não precisam de aconchego.
É como o amor que um dia vem com força de avalanche! E um dia vai embora com um porta que se fecha e uma chave jogada em um canto gaveta.
É o momento que se foi, só porque você piscou! É o vento que soprou e levou pra longe aquela última folha da primavera.
É como a estrada que te leva, pra outros rumos, outros caminhos. É a mão que te guia. É a ideia que te acompanha e te abre a cabeça.


Foto: Aline Lima

terça-feira, 28 de junho de 2011

"Estou voltando para o começo..."

Me pego pensando que, quando eu parar para pensar de novo, toda e qualquer situação já vai ter se transformado. E não importa o que eu faça, uma fotografia sempre vai mostrar o que eu já não tenho mais. Sim, o momento que não é mais meu... Posso até guardá-lo na memória, e pensar nele um pouquinho todos os dias para que ele não perca o brilho e eu o esqueça... Mas no fundo sei que já não o tenho mais. (17:17)
E aquele momento feliz, de cumplicidade não declarada, já passou e ficou pra trás. Nem em um pedaço de papel ele está, eu não o guardei.
Aquele sentimento doído e imenso já não é tão grande que não possa passar pela porta. Tanto é que ele se foi, enquanto eu dormia talvez... Enquanto eu pensava que ele estava ali, ele partiu de mim. E não sinto saudade. Mas ele se foi, e minhas lembranças jamais vão ser iguais a sensação de ter esse sentimento ao meu lado.
No começo pensei que seria o tempo todo. Hoje, no começo de novo, sei que se foi e não volta.
E esse é o momento de se preparar para sentir de novo? Com menos sofrimento e mais sabedoria? Com menos entusiasmo e mais "pé no chão"?
Me pego pensando que, quando eu parar para pensar de novo, toda e qualquer situação já vai ter se transformado...
É estranho ter que se acostumar que tudo é inconstantemente real. E não importa se você segura forte com as mãos... Uma hora você precisa abrí-las e empurrar a porta... Abrir os olhos e ver que, assim como as folhas caindo de novo no próximo outono, tudo volta ao começo.




"Vim te encontrar, te dizer que eu sinto muito
Você não sabe quão adorável você é
Eu tive que encontrar você, te dizer que eu preciso de você
E te dizer que eu te deixei de lado
Me conte seus segredos e me pergunte suas dúvidas
Oh, vamos voltar para o começo" 
(The Scientist)

segunda-feira, 27 de junho de 2011

É como você dar a mão a um amigo e brincar de roda!
Claro, passou, não volta mais seu modo simples de viver. E não adianta achar que você não é feliz! Você é feliz, mas sua felicidade mudou o parâmetro de busca.
Quando você é criança, uma roda gigante é a coisa mais emocionante, alucinante, interessante do mundo! Hoje quase não passa de um ferro velho, cheio de perigo. Mas não quer dizer que ela parou de girar... Não quer dizer que ela perdeu a graça... Simplesmente você cresceu!

E agora você pode ver o mundo de outro jeito...

terça-feira, 21 de junho de 2011

Lâmpada do gênio - Gênio da Lâmpada

Esses dias fiz uma pergunta em um site de relacionamento:

"Se você encontrasse a lâmpada mágica e de dentro dela saísse um gênio que não fosse lhe conceder um pedido, pelo contrário, você teria de dar algo para ele. O que você daria?"
Algumas pessoas não responderam e me disseram que não sabiam o que dizer.
Outras me responderam : "Daria minha gripe pra ele".
Mas, todos aqueles que me responderam me fizeram parar pra pensar...
Nenhuma das pessoas disse que daria uma casa pro gênio, um carro novo, uma fazenda, saúde, felicidade...
Todos dariam coisas pequenas, insignificantes, coisas das quais seria fácil se desfazer, coisas que eles não gostariam de ganhar...
Então fiquei pensando como o ser humano em si é egoísta.
Todos querem receber coisas grandes, preciosas, de valor... Mas todos querem dar coisas que não fazem diferença nenhuma.
Já parou pra pensar como nós somos? Queremos sempre o melhor das pessoas, mas nao estamos dispostos a oferecer o melhor.
Queremos que as pessoas possam doar coisas grandes, mas queremos dar, no máximo, coisas pequenas. Estamos dispostos a abrir a mão para receber, mas não para dar.
E disso tudo, o que eu senti, foi vergonha. Porque eu também sou assim.
Queremos demais... Mas não estamos dispostos a doar... Ou melhor, a doar coisas boas... Pois se fosse possível doar problemas, certamente as pessoas doariam.
Infelizmente doariam!

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Esquecer...

E se eu acordar em uma bela manhã, mas não estiver feliz?
E se eu sentir vontade de ir embora?
E se minha cabeça estiver cheia de coisas que não me fazem bem?
E se, eu simplemente, estiver cansada de tudo?
Talvez eu não tenha o direito de desanimar, pelo menos uma vez.
...Talvez as pessoas nos decepcionam hoje e você precisa fingir que não viu, não ouviu, ou que aquilo realmente não abala o seu senso de humor.
E estou cansada! De tudo.

 
"Lágrimas e chuva

Molham o vidro da janela

Mas ninguém me vê

O mundo é muito injusto

Eu dou plantão nos meus problemas

Que eu quero esquecer"
(Lágrimas e chuva)

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Eu não sei o que fazer, se você for, embora, se você for... Eu, só quero entender, se você for, agora, se você for...

E não importa o que eu faça... Aquele ano novo nunca mais vai voltar. Nunca mais vai ter nada igual.
Aquela música jamais terá o mesmo sentido e eu nunca mais vou me sentir daquele jeito de novo.
Acho que uma das coisas mais complicadas é perceber que as coisas mudaram... Que você acordou e tudo está diferente.
Difícil é perceber que as fotos mostram momentos que não voltam nunca mais... Os sentimentos não serão mais os mesmos, e eu nunca mais vou chorar daquela maneira.
É estranho sentir que as coisas mudaram... Estranho saber que, por mais que eu corra, meus cabelos não vão mais voar daquele jeitinho e eu não vou mais me sentir livre... Pelo menos como eu me senti.
Meu sorriso pode ser sincero, mas aquela sensação de estar de mão dada não existe mais... E não importa o quanto eu sinta medo, aquela sensação de estar bem, da maneira que fosse, já se foi e não volta.
Eu me sinto vazia agora.
E não há palavra que consiga me preencher... As fotos não me fazem sentir melhor.
Acredito que um dos grandes desafios da vida é perceber que fazemos escolhas... Mas as pessoas também fazem e vão embora pra onde elas acham que é melhor.
E temos que caminhar, não adianta olhar pra trás, você não vai poder voltar nos seus 15 anos para pegar tudo o que era bom.
Eu apenas queria que nada tivesse mudado... Queria que a gente nunca tivesse precisado crescer... E estávamos felizes... "Nada mais importa agora".
E eu não quero me sentir perdida... Não estou perdida.
Apenas vou me sentir assim enquanto é pra sentir e depois vou continuar caminhando... Nem que seja sozinha!

"É uma maldita noite fria

Tentando entender essa vida
Você não vai me pegar pela mão?

Leve-me a algum lugar novo
Eu não sei quem você é
Mas eu estou com você ..."

Eu estou com você

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Som

Ela simplesmente se sentia bem... E enquanto a música tocava, ela sorria livremente, sem medo de parecer boba.
E aquela batida a fazia feliz... Ela não aguentava mais fingir... Queria dançar, se libertar e fazer tudo aquilo que a fazia bem.
Ela pulava feito criança pela pista, as luzes piscavam no ritmo, no ritmo da música... E a música ia... No ritmo.. No ritmo do seu coração feliz. E não importavam quantas pessoas paravam para vê-la "ficar louca", ela simplesmente dançava, com seus olhos fechados para o mundo e voltado para dentro de si.
E a música fluía de uma maneira incrivelmente boa, e não existia sentimento de censura, sem medo de ser realmente quem ela é.
Ela só queria pular, pular e ser, apenas, a pequena garota que estava crescendo.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Décimo nono

Com o passar dos anos percebi que, depois dos treze, eu nem fazia mais questão que todo mundo soubesse. Não por arrogância, mas por vergonha de ser "o centro das atenções".
E, cá entre nós aqui no cantinho da sala, nunca fui o centro das atenções, só na minha cabecinha de criança.
E confesso que nunca esperei por presentes... Queria mesmo é que lembrassem, e isso bastava pra eu dormir feliz.
Quando fiz 15, caramba... 15 anos!!! Fiquei toda feliz porque eu estava vivendo uma fase boa, de alegria, de descobertas... Meu diário de 15 anos ta lá, guardando meus "segredos" no fundo da gaveta.
Depois 16... correria, correria, correria...
No meio de tanta bagunça e matemática, encontrei alguém ♥ (Gatinho por sinal)
Aí veio os 17, com beijos e abraços...
Correria, correria...
Depois, os 18! Aí é um choque né? 18 anos é o terror. Você nao sabe se chora ou se ri. Pelo menos foi assim comigo.
E hoje, no Décimo Nono, aqui estou... Com medo dos 20 e com saudade dos 15.
Ainda não sei o que fazer 19 anos significa, mas, sem dúvidas, assusta um bucado.
E pra fechar, lá vai minha foto pra lembrar do dia :

terça-feira, 10 de maio de 2011

Doces sonhos

Sapatilha no pé.
Na cabeça um sonho. Uma segurança tão grande, que não dava pra duvidar.
E não adiantava me dizer que aquilo era besteira. E não adiantava me olhar torto e dizer que a vida não era um conto de fadas. Eu sempre acreditava que, no fundo do meu pequeno ser, tinha uma grande e doce menina. Menina de sonhos, na ponta dos pés.
Conforme o tempo foi passando, escolhi outros caminhos. Não mais fácil e nem menos complicado.
Sempre me pego sonhando. Sonhando com aquela alegria... Sonhando com aquele sorriso.
Sempre me pego sonhando em me encontrar em algum lugar... Me encontrar em algum lugar.
E não importa o quanto o tempo tem passado... Não penso em desistir do que está dentro de mim.
De certa forma, meus sonhos continuaram brotando.
Hoje sonho com outras coisas. Sinto muito em sentir que as vezes desanimo. Sinto muito.
Mas desistir deles é algo que eu nunca consegui... Como se levantar todas as manhãs fosse um peso, se eu estivesse acordando por acordar, estudando por estudar, trabalhando por trabalhar. Só que não estou.
Mas, realmente, desistir deles é algo que eu nunca consegui... É como se a vida realmente fosse um pedaço de nada se você não se olhar, sentir uma pura felicidade e for, ao menos dentro dos seus sinceros sonhos de criança, uma doce bailarina.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Não que eu estivesse presa, mas eu estava segura e firme. E sempre andava com os passos cautelosos, pra cuidar onde pisar, o que falar, o que sentir.
Eu andava nos trilhos de maneira correta... Seguia em frente, mas eu não estava presa, talvez não totalmente.
Mas eu cuidei de tudo o que eu pensei. Cuidei pra não machucar e não sentir fraqueza.
Me segurei firme quando eu achei que tinha onde me segurar... O vento me levou e acabei percebendo que  por mais que eu me segurasse, meus passos caminhavam sozinhos, no sentido que eu achava ser o melhor.
E realmente não acho que eu estava presa... Mas agora que me deparei com um pouco mais de liberdade, simplesmente não sei o que fazer com ela.
E confesso que fico aflita, procurando um olhar pra me apoiar... Procurando uma mão pra me segurar...
Agora que estou solta, eu não sei voar sozinha...

"- Você precisa amadurecer."


No fundo mesmo eu queria a mão dada e a aparente certeza que eu não vou ter a liberdade que eu não quero.
Isso pode até parecer absurdo... Mas realmente é o que eu sinto.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Oportunidades

As vezes eu não sei se oportunidade é a gente quem cria ou ela cai do céu. Não sei dizer se a gente tem total controle sobre as coisas que a gente faz, ou talvez, sobre as coisas que acontecem. É como dizem: "Você tem a vida que quer ter". Sinceramente não sei se isso é realmente verdade.
Tem gente que batalha e consegue tudo o que quer.
Tem gente que dorme e consegue tudo que quer.
Tem gente que luta, luta, luta e continua na mesma situação, triste.
Então eu não sei. Não sei se a gente é que acontece, ou o mundo acontece sozinho e a gente só participa.
É claro que não dá pra sentar e dormir o tempo todo enquanto o mundo gira. É preciso levantar e seguir em frente, mesmo que pareça que estamos em uma esteira... correndo, correndo, sem sair do lugar.
Digo isso porque já passei por momento onde todo o meu esforço parecia nada. Onde eu me dedicava e não via resultado algum. Formiga sozinha, sabe?
E também passei por momentos onde os resultados eram claros, as oportunidades surgiam e eu simplesmente aproveitava tudo que aparecia, de uma maneira muito bacana.
No fim das contas acabo chegando à conclusão que parar na frente do trem é arriscado demais.
Caindo do céu ou não, as oportunidades estão aí para serem aproveitadas... 
Difícil é ficar dormindo enquanto a vida te dá uma chance de se superar.
E tem quem procura seu trevinho enquanto as pessoas fazem acontecer.
Foto: Aline Lima

terça-feira, 26 de abril de 2011

Carentes na rede

"Estou indo ao banheiro."
"Terminei de lavar a louça."
"Bom dia genteeem, hoje eu vou dar banho no meu cachorro."

A impressão que eu tenho é que as pessoas, cada dia mais, estão precisando de mais atenção.
Ao invés de conversar com um amigo sobre uma situação, as pessoas entram no twitter, melhor amigo dos mais solitários, e desabafam em alguns caracteres. Ou melhor, resmungam... Com tão pouco espaço não dá nem pra se libertar.
As pessoas se esquecem do "velho abraço amigo" e correm para o computador, dividir sua alegria com seguidores. Ou, babam no teclado, chorando pelo tuíte (assim que escreve? me ensinem!) feliz da sua ex namorada, que aliás, nem ta feliz, só quer que você ache que ela está =)
Calma! Não estou dizendo que o seu melhor amigo twitter nao é eficiente e nem serve pra nada. Todo mundo sabe, e eu nao vou ficar repetindo, que ele é uma ferramenta interessante e que pode ser usado de forma muito eficiente.
A questão é que as pessoas levam sua vida pessoal todinha pra uma tela. Se você quer saber os passos de alguém, entre no seu twitter e saiba, de meia em meia hora, o que a pessoa ta fazendo. Parece que as pessoas querem mesmo virar alvo de sequestradores 

Brinks
Eu nao sei se é implicância minha, deve ser... Mas as pessoas não precisavam detalhar tanto assim as coisas.
Aline, sua falsa! Você escreve um monte de coisas pessoais no seu blog.
Sim, escrevo, mas até agora ninguém aqui ta sabendo que hora eu vou pra faculdade, a hora que eu almoço, que vou ao banheiro... Ou tá?
A questão é que parece mesmo que as pessoas estão mais solitárias, como se o mundo virtual fosse mais legal que a vida real =/.
Me desculpe quem achar que eu to errada, mas eu prefiro mesmo é ficar despreocupada, sem postar tudo que eu faço, até mesmo pra poder respirar um pouco e ter tempo pra viver a vida que eu tenho fora da tela do meu computador.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Eu estou viva!

Acordo e desligo o despertador. São 5:30, levanta tá? O dia começa agora pra você.
Saio de casa. Céu escuro, céu claro, nublado, sujo, chuvoso, com um pingo de sol.
As vezes acordo e encaro a vida como uma tragédia. Tudo fica feio, ruim, de mal gosto. O trânsito me incomoda, o sol me incomoda, as pessoas me incomodam, tudo me incomoda. O mundo continua no seu ritmo, mas tudo acaba dando errado pra mim.
As vezes eu acordo e encaro a vida como uma comédia. O céu é risonho, as pessoas são boas, o trânsito flui, sem problemas. E mesmo que algo dê errado, meu dia termina bem.
Fico pensando se a vida é uma tragédia, uma comédia, um drama, uma brincadeira, um acidente ou um escândalo. Confesso me esforçar para ser otimista as vezes... Tudo que eu quero é que o mundo exploda.
E ele explode.
Tem dias que tudo pra mim tem graça, mesmo tendo que acordar quando eu não quero, ou não poder dormir quando eu preciso, eu continuo numa festa interior... soltando minhas risadinhas solitárias. Tudo que eu quero é que a vida aconteça. E ela acontece!
Não é todo dia que consigo controlar se o dia vai ser bom ou ruim. Eu até me esforço pra tudo sair bem, mas todo mundo tem direito de ficar mal, uma vez ou outra.
Minha maior dificuldade talvez seja como lidar com tudo que eu sinto. E acho que as pessoas também sentem isso. Se alguém não sente, não me ensine... Eu não quero ser um robô.
Com tudo que acontece, hoje, depois, depois, ou que aconteceu ontem, eu sinto a imensa sensação de estar viva... De poder tentar mais uma vez!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Aproveite o dia.
E ele terminará bem. E se não terminar, você vai ter visto de perto a imensa necessidade de tentar mais uma vez.
Mesmo que aquilo não saiu como você queria... Mesmo que o telefone não tocou... Mesmo que o sol resolveu tirar férias. Enquanto você ficar pensando no seu final de semana, sua última semana de fevereiro passou. E é a última. Não existirá outra chance de viver aquele mesmo instante.
A vida não é um mar de rosas. Nunca será.
A vida não é um mar de espinhos. Nunca será.
Acorde e viva. Tire dos espinhos algo bom e apenas sinta.
Não deixe que o seu dia passe sem deixar sua caminhada nele. Não deixe que as espectativas do amanhã façam você viver somente em prol de um dia que ainda nem existe...
Não deixe que o dia termine sem suas pegadas no caminho... Amanhã é outra história.


sexta-feira, 25 de março de 2011

"Na mudança do presente a gente molda o futuro."

Mudanças.
Boas. Ruins. Tranquilas. Agitadas.
Mudanças.
Radicais. Efusivas. Aconchegantes.
Mudanças.
Necessárias. Necessárias. Necessárias.
Mudanças.
Evolução. Retrocesso. Desespero. Única opção.
Mudanças.
Mexe aqui, ali. Abala tudo. Sem efeito.

Talves esse seja um bom momento para mudar. Mudar de vida? De hábitos? De amigos?
Mudar de casa? De aparência? De opinião?
Mudar de lado? De foco? De posição?
Talvez seja um bom momento para mudar.
Confesso que mudanças chegam até a doer... Doer em mim, doer em você.
Confesso que mudanças geram reaproximação. De mim, do me que faz bem. Do que me desperta.
Eu quero mudar. Quero encontrar um ponto e transformá-lo, por dentro, por dentro.
Eu quero mudar. Mudar algo.
Quem sabe mudar minha própria maneira de achar que tudo precisa de uma mudança e mudar sozinha.

Pra mim, por mim. Mudar lá dentro, onde as palavras fazem efeito, mas as atitudes geram uma grande evolução.

quinta-feira, 24 de março de 2011

E eu vou lembrar...

"Quando eu me iludo é quando eu te esqueço..."

As lembranças vêm como  a onda invade a areia da praia.
E elas simplesmente voltam pra mim, mesmo depois que o tempo presente virou tempo passado.
E por mais que a correria do dia me faça esquecer das coisas boas que se foram, elas estão lá, guardadas em mim. E quando eu menos espero, sentada em algum lugar, deitada pra dormir, correndo pra não chegar atrasada, sorrindo de vergonha, elas surgem com uma nitidez incrível e me levam...
Me levam...


Dentro de mim elas estão seguras. Dentro delas eu estou livre.
Livre.

terça-feira, 15 de março de 2011

Ei! Solte as pedras.
Ei! Solte as pedras!
Você só precisa abrir a mente.
Ei! Você não está certo o tempo todo.
Você só precisa aprender a aprender.
Ei, você!
Por que é tão difícil aceitar as novas ideias?
Ei, você... Solte suas pedras... Voe.

terça-feira, 1 de março de 2011

Olá galerinha do silêncio.
Sem querer misturar as coisas entre blog pessoal e blog da faculdade, mas quero deixar aqui o endereço do blog que nós, alunos, estamos escrevendo para a matéria de Web.
É um blog de Jornalismo, voltado para as coisas que acontecem dentro da Universidade, ou que envolva nosso curso.
Enfim, quem tiver interesse dá uma olhadinha lá.

Blog: Web Jornalismo UP

To lá, no usuário "limaaline", =)


segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

E é por isso que eu sorrio.
Porque quando coloco para fora, jogo no mundo toda a alegria que eu tenho em estar viva, me sinto imensamente feliz. Sorrio porque minha vida é cheia de montanhas espinhosas... Mas até hoje eu não fiquei sem escalar alguma delas. E não importa o quão gigantes serão os meus espinhos... Eu me alegrarei pelo perfume das flores, com sua doce beleza, doce forma de existir...
Fico feliz por acordar de um sonho ruim, me alivio em saber que posso construir uma realidade diferente... Que eu posso correr, gritar, pular e experimentar profundamente a sensação de estar viva.
Eu posso amar. Posso dizer às pessoas o quanto elas são especiais... E posso correr para os seus braços quando eu cair.
Posso fugir para dentro de mim quando tudo lá fora estiver complicado demais. E vou estar bem.
E mesmo que eu desanime, que eu caia, esteja sozinha... no fim das contas vou acabar sorrindo...
 Vou continuar sorrindo...

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

2 anitos!

2 anos de blog!

Estou muito feliz por estar firme e forte no meu blog, guardando aqui tudo o que eu sinto.



Divido com pessoas que nunca vi coisas muitos importantes para mim. Talvez seja o tipo de blog que as pessoas já não procuram mais... Mas é o tipo de instrumento que uso para colocar pra fora as coisas que fazem parte de mim e da minha vida.
Estava pensando no que escreveria em um post de dois anos do meu blog. Talvez pudesse relembrar os posts que eu mais gostei de escrever... Ou planejar coisas para o que ainda está por vir...
Mas acabei opitando por apenas dizer que é uma coisa legal fazer esse tempo que estou escrevendo... Pois é exatamente o tempo que eu tinha algo para escrever, para expressar... Não forcei nada e nem digitei tudo por obrigação. É algo que eu gosto, que me identifico.
É muito bom estar aqui, dedicando tempo para continuar algo que me faz tão bem!



sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Eu estava lendo um livro que já tinha lido antes, há alguns anos atrás...
E quando terminei de ler, me senti muito triste, com um toque de vazio e solidão.
Resolvi ler o livro novamente, na esperança de entender porque me senti daquela maneira...
Terminei de lê-lo agora e já consigo me lembrar a razão das emoções que eu senti.
O livro é encantador e me encontro nas palavras soltas nas páginas.
Como se os sentimentos ali descritos, fossem os meus sentimentos. Como se o sorriso fosse meu,
o carinho fosse meu, a curiosidade fosse minha e a perda tivesse sido retirada de mim.
Sempre me pego pensando o quanto eu queria ser criança, o resto da minha vida. O quanto eu queria brincar e ver a vida com a singela beleza que ela tem.
Como eu queria não me preocupar com o tempo e parar para dar bom dia aos pássaros...
Como diz meu pequeno, e doce, príncipe, "O que é importante a gente não vê..."
Queria ser como esse principezinho que protege carinhosamente sua pequena flor. Que a aceita como ela é, tendo sua beleza e seu orgulho... e sendo pura de coração.
Certamente a sinceridade desse livro me comove. Em um mundo cheio de relógios, me desapego a cativar-me com as coisas que rapidamente passam pela janela. E como o pequenino, precisei aprender o significado da palavra "cativar".
E aprendi. E acho que aprendi.
Confesso ter morrido de vontade de entrar nas páginas e pedir para o principezinho ficar ao  meu lado, por ser responsável por aquilo que cativas, agora és responsável por mim.
Mas eu não pude. Longe dali, sua bela flor o esperava, ansiosa aposto, e ele tinha que voltar.
Essas últimas frases do livro me tocam profundamente e quero deixá-las gravadas aqui, num toque de amor:

"


Esta é, para mim, a mais bela paisagem do mundo, e também a mais triste. É a
mesma da página precedente. Mas desenhei-a de novo para mostrá-la bem. Foi aqui que o
principezinho apareceu na terra, e desapareceu depois.
Olhem atentamente esta paisagem para que estejam certos de reconhecê-la, se
viajarem um dia na África, através do deserto.
E se acontecer passarem por ali, eu lhes suplico que não tenham pressa e que
esperem um pouco bem debaixo da estrela ! Se então um menino vem ao encontro de
vocês, se ele ri, se tem cabelos de ouro, se não responde quando interrogam, adivinharão
quem é. Então, por favor, não me deixem tão triste; escrevam-me depressa que ele
voltou... " (O Pequeno Príncipe, Antoine De Saint-Exupéry)
 
Esse livro me toca. Me toca como um sorriso, uma lágrima...
Mas toda vez que ele me tocar como a saudade, já sei onde encontrar a criança em mim e o sorriso do pequenino príncipe...

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Ela pegou todas suas roupas do chão...
Já não sabia se precisava de tudo aquilo, o quanto estava cansada de toda aquela situação...
Apenas pensava em respirar...
Pensava que queria sair correndo dali... E queria ir para onde o vento soprasse forte no seu rosto, levando consigo todo aquele momento breve, como um pensamento que apenas passou pela sua cabeça.
E fechou a porta.
Deixou pra trás todas as incertezas que tinha, e levou consigo toda aquela vontade de ser livre.
Ela correu, correu... Sentindo a brisa nos seus cabelos, sentindo a alegria que há tempos não sentia.
Foi em direção do caminho que a levaria para mais longe dali, onde abandonara todas as chances de não conhecer a felicidade.
Deixou pra trás também sua ideia de futuro e foi viver sua vida, onde o amanhã seria outra história, onde o futuro aconteceria mais tarde e seus problemas também.
Ela resolveu abandonar todos os seus sofrimentos antecipados, sentiu que um sincero sorriso brotava em seu coração e simplesmente sorriu...
Sorriu para a vida que acabava de descobrir... Sorria para a liberdade que acabava de sentir e da coragem de deixar tudo o que já estava acomodado.
Seguiu seu caminho, com um novo sorriso, um novo ideal, e dentro de si encontrou sua verdadeira felicidade.


Ouvia 'Hapilly Never After'

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Há uns tempos atrás, 5 anos, mais ou menos, eu tinha mania de dizer que não fazia planos... E tinha mania de não fazê-los mesmo. Vivia cada dia de maneira que não precisava pensar nas coisas pra amanhã. Pensava que planos são desculpas para deixar os problemas de hoje, pra sonhar com um amanhã melhor...
Toda vez que eu me metia a fazer um plano, dava tudo errado. E eu sempre achava que aquilo era uma lição, pra não ficar pensando em algo que nem era meu ainda. Resolvi esquecê-los de vez e viver minha vida no presente.
Hoje, um tempo depois, sou uma pessoa cheia de planos.
Vivo pensando em como vai ser depois e, quando vejo, meu dia passou e eu nem vi. Fico horas e horas pensando no que vou fazer, nisso, naquilo... e acabo nem vivendo o meu presente.
Queria muito voltar no tempo e deixar todas as minhas expectativas irem embora.
Sei que não podemos ficar a mercê da vida, já que ela exige um pouco mais de nós a cada nova manhã... Mas não queria ficar planejando coisas que me deixam pra baixo, cada vez que dão errado.
Viver simplesmente é o que sempre fiz... Mas parece que isso está tão longe de mim agora...
=/

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Me sinto as vezes tão pequenina que o mundo inteiro me engole. E eu nao sei o que fazer.
Me sinto as vezes uma fruta verde no pé, que precisa amadurecer e ver a vida da maneira que ela é!
Me sinto as vezes como uma formiga trabalhadora, que vai pra lá e pra cá, levando seus graos, mas que é pequena demais pra fazer alguma diferença sozinha.
Me sinto as vezes como uma abelha, que produz um doce mel, mas nao sabe ser doce com os outros.
Me sinto pequena por saber que preciso mudar algumas coisas, mas continuo fazendo tudo igual! Tudo igual.
Me sinto insegura. Como uma criança que solta da mão de seus pais. Como alguém que já sofreu e tem medo de sofrer tudo de novo. Como alguém que sabe o quer, mas que nao sabe fazer as coisas direito.
Me sinto como um turbilhão. Como uma panela cheia de temperos. Como massinhas de modelar, todas misturadas.
Hoje to feliz. Hoje to triste. Me sinto como alguém que nunca se entendeu.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

- Pois então, chegamos ao fim.
- Ao fim? Como assim ao fim?
- É que nesse momento você precisa ir.
- Mas... o que eu faço agora?
- Pode se virar e acenar... olhar  mais uma vez.
- Me diz... Essa é a hora que eu peço desculpas por tudo?
- Na verdade, pedir desculpas não adianta muito depois que você já feriu. Mas você pode tentar...
- Ta bem... Me desculpe.
- Está pronta agora?
- E se eu disser que não?
- É hora de partir, não há mais tempo.
- Ta bem... Vamos embora daqui.
- Não. Eu nao vou junto. Você vai sozinha. São suas atitudes, é hora de enfrentá-las sozinha.
- E se eu sentir medo?
- Talvez você possa fechar os olhos e esperar que ele passe...
- E se não passar?
- Tudo vai passar... É hora de ir embora...


sábado, 1 de janeiro de 2011

Bem, sei que hoje já é o 1º dia de Janeiro de 2011, mas, como não deu tempo, vou me despedir agora do meu incrível 2010.
Não tenho dúvidas que esse ano veio pra me fazer crescer!
Conquistei muitas coisas, quebrei muito minha cara, fui feliz, fui infeliz, sorri, chorei...
Foi um ano em que cheguei a muitos extremos...
Fui totalmente feliz, pulei de alegria, desejei que o dia nunca acabasse...
Fui totalmente infeliz... chorei dias a fio, desejei que tudo acabasse, quando ainda era 8 horas da manhã.
Fui extremamente raivosa. Senti muito ódio, vontade de esganar meia dúzia.
Fui mais que amorosa. Desejei acariciar alguém a vida toda e amá-la, mesmo depois que a morte nos separasse...
Fui atenciosa, fui relaxada, fui estúpida, fui simpática. Eu nao soube amar. Eu aprendi a amar.
Eu aprendi a ME amar.
Cresci muito! Amadureci mais ainda. A criança em mim continua viva, mesmo com meus 18 anos... Mas as responsabilidades me fizeram evoluir, mesmo quando eu estava cansada demais...
Foi o ano em que entrei na Universidade... O ano em que conquistei a bolsa de estudos que eu tanto ralei pra conseguir...
Foi o ano em que procurei emprego o ano inteiro... E depois... No finalzinho, eu consegui algo além do que eu imaginava que iria encontrar...
2010 foi o ano que eu acreditei que iria desmoronar... Achei que tudo estava perdido e, mesmo com o abraço que muitas pessoas, achei que estava sozinha...
Nesse ano eu tive que me superar... A vida pediu mais de mim e eu nao estava preparada... Tive que sofrer muito para entender que isso me fortaleceria... E quando a vida exigir mais de mim, tenho que me preparar para crescer com tudo e não desistir jamais.
Foi o ano em que acreditei mais em mim... Descobri que sou mais do que capaz, mas ainda nao sei nada. Que sou pequenina frente à vida... Mas que nenhuma barreira não pode ser vencida se existe um grande sonho, um grande amor, um grande desejo para lutar!
Eu lutei!
Posso dizer segura que deixo 2010 pra trás... Que não sinto saudade das tristezas que eu passei... Que minhas alegrias serão ainda maiores...
Ano que meus extremos me fizeram acreditar que 2011 eu quero viver intensamente, ainda mais!

Adeus tristezas!
Byebye medos!
Asta la vista batalhas!
E, até logo vitórias!

2010  é pouco! Eu quero é 2011