sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Ela pegou todas suas roupas do chão...
Já não sabia se precisava de tudo aquilo, o quanto estava cansada de toda aquela situação...
Apenas pensava em respirar...
Pensava que queria sair correndo dali... E queria ir para onde o vento soprasse forte no seu rosto, levando consigo todo aquele momento breve, como um pensamento que apenas passou pela sua cabeça.
E fechou a porta.
Deixou pra trás todas as incertezas que tinha, e levou consigo toda aquela vontade de ser livre.
Ela correu, correu... Sentindo a brisa nos seus cabelos, sentindo a alegria que há tempos não sentia.
Foi em direção do caminho que a levaria para mais longe dali, onde abandonara todas as chances de não conhecer a felicidade.
Deixou pra trás também sua ideia de futuro e foi viver sua vida, onde o amanhã seria outra história, onde o futuro aconteceria mais tarde e seus problemas também.
Ela resolveu abandonar todos os seus sofrimentos antecipados, sentiu que um sincero sorriso brotava em seu coração e simplesmente sorriu...
Sorriu para a vida que acabava de descobrir... Sorria para a liberdade que acabava de sentir e da coragem de deixar tudo o que já estava acomodado.
Seguiu seu caminho, com um novo sorriso, um novo ideal, e dentro de si encontrou sua verdadeira felicidade.


Ouvia 'Hapilly Never After'

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Há uns tempos atrás, 5 anos, mais ou menos, eu tinha mania de dizer que não fazia planos... E tinha mania de não fazê-los mesmo. Vivia cada dia de maneira que não precisava pensar nas coisas pra amanhã. Pensava que planos são desculpas para deixar os problemas de hoje, pra sonhar com um amanhã melhor...
Toda vez que eu me metia a fazer um plano, dava tudo errado. E eu sempre achava que aquilo era uma lição, pra não ficar pensando em algo que nem era meu ainda. Resolvi esquecê-los de vez e viver minha vida no presente.
Hoje, um tempo depois, sou uma pessoa cheia de planos.
Vivo pensando em como vai ser depois e, quando vejo, meu dia passou e eu nem vi. Fico horas e horas pensando no que vou fazer, nisso, naquilo... e acabo nem vivendo o meu presente.
Queria muito voltar no tempo e deixar todas as minhas expectativas irem embora.
Sei que não podemos ficar a mercê da vida, já que ela exige um pouco mais de nós a cada nova manhã... Mas não queria ficar planejando coisas que me deixam pra baixo, cada vez que dão errado.
Viver simplesmente é o que sempre fiz... Mas parece que isso está tão longe de mim agora...
=/

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Me sinto as vezes tão pequenina que o mundo inteiro me engole. E eu nao sei o que fazer.
Me sinto as vezes uma fruta verde no pé, que precisa amadurecer e ver a vida da maneira que ela é!
Me sinto as vezes como uma formiga trabalhadora, que vai pra lá e pra cá, levando seus graos, mas que é pequena demais pra fazer alguma diferença sozinha.
Me sinto as vezes como uma abelha, que produz um doce mel, mas nao sabe ser doce com os outros.
Me sinto pequena por saber que preciso mudar algumas coisas, mas continuo fazendo tudo igual! Tudo igual.
Me sinto insegura. Como uma criança que solta da mão de seus pais. Como alguém que já sofreu e tem medo de sofrer tudo de novo. Como alguém que sabe o quer, mas que nao sabe fazer as coisas direito.
Me sinto como um turbilhão. Como uma panela cheia de temperos. Como massinhas de modelar, todas misturadas.
Hoje to feliz. Hoje to triste. Me sinto como alguém que nunca se entendeu.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

- Pois então, chegamos ao fim.
- Ao fim? Como assim ao fim?
- É que nesse momento você precisa ir.
- Mas... o que eu faço agora?
- Pode se virar e acenar... olhar  mais uma vez.
- Me diz... Essa é a hora que eu peço desculpas por tudo?
- Na verdade, pedir desculpas não adianta muito depois que você já feriu. Mas você pode tentar...
- Ta bem... Me desculpe.
- Está pronta agora?
- E se eu disser que não?
- É hora de partir, não há mais tempo.
- Ta bem... Vamos embora daqui.
- Não. Eu nao vou junto. Você vai sozinha. São suas atitudes, é hora de enfrentá-las sozinha.
- E se eu sentir medo?
- Talvez você possa fechar os olhos e esperar que ele passe...
- E se não passar?
- Tudo vai passar... É hora de ir embora...


sábado, 1 de janeiro de 2011

Bem, sei que hoje já é o 1º dia de Janeiro de 2011, mas, como não deu tempo, vou me despedir agora do meu incrível 2010.
Não tenho dúvidas que esse ano veio pra me fazer crescer!
Conquistei muitas coisas, quebrei muito minha cara, fui feliz, fui infeliz, sorri, chorei...
Foi um ano em que cheguei a muitos extremos...
Fui totalmente feliz, pulei de alegria, desejei que o dia nunca acabasse...
Fui totalmente infeliz... chorei dias a fio, desejei que tudo acabasse, quando ainda era 8 horas da manhã.
Fui extremamente raivosa. Senti muito ódio, vontade de esganar meia dúzia.
Fui mais que amorosa. Desejei acariciar alguém a vida toda e amá-la, mesmo depois que a morte nos separasse...
Fui atenciosa, fui relaxada, fui estúpida, fui simpática. Eu nao soube amar. Eu aprendi a amar.
Eu aprendi a ME amar.
Cresci muito! Amadureci mais ainda. A criança em mim continua viva, mesmo com meus 18 anos... Mas as responsabilidades me fizeram evoluir, mesmo quando eu estava cansada demais...
Foi o ano em que entrei na Universidade... O ano em que conquistei a bolsa de estudos que eu tanto ralei pra conseguir...
Foi o ano em que procurei emprego o ano inteiro... E depois... No finalzinho, eu consegui algo além do que eu imaginava que iria encontrar...
2010 foi o ano que eu acreditei que iria desmoronar... Achei que tudo estava perdido e, mesmo com o abraço que muitas pessoas, achei que estava sozinha...
Nesse ano eu tive que me superar... A vida pediu mais de mim e eu nao estava preparada... Tive que sofrer muito para entender que isso me fortaleceria... E quando a vida exigir mais de mim, tenho que me preparar para crescer com tudo e não desistir jamais.
Foi o ano em que acreditei mais em mim... Descobri que sou mais do que capaz, mas ainda nao sei nada. Que sou pequenina frente à vida... Mas que nenhuma barreira não pode ser vencida se existe um grande sonho, um grande amor, um grande desejo para lutar!
Eu lutei!
Posso dizer segura que deixo 2010 pra trás... Que não sinto saudade das tristezas que eu passei... Que minhas alegrias serão ainda maiores...
Ano que meus extremos me fizeram acreditar que 2011 eu quero viver intensamente, ainda mais!

Adeus tristezas!
Byebye medos!
Asta la vista batalhas!
E, até logo vitórias!

2010  é pouco! Eu quero é 2011