quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Ajuda

Hoje quero pedir a vocês algo especial.

Justo com uma equipe, tenho um projeto de Contação de Histórias para crianças com câncer, abrigadas na APACN, em Curitiba.

É um sonho que estou realizando: Poder estar ao lado delas, ajudando, brincando, dando apoio nesse momento difícil.

E, também, no Natal queremos presenteá-las. Por isso precisamos arrecadar dinheiro.

O objetivo da equipe é levar alegria e esperança, além de proporcionar momentos de diversão e distração.

Peço a contribuição de todos. Seja com papel sulfite, lápis de cor ou dinheiro mesmo.

Obrigada a todos. De todo coração!

Conheçam nossa vakinha online:

http://www.vakinha.com.br/vaquinhap.aspx?e=167893

Conheça o projeto:

http://teianoticias.com/naco/?p=1784

Obrigada! *-* Beijões.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Experiência chocante

Nossa, que dia.

Hoje tive uma das experiências mais incríveis e diferentes da minha vida (eu não sei quais palavras posso usar).
Fui conhecer uma penitenciária aqui em Curitiba, que já está desativada, mas que foi capaz de me impressionar de uma maneira que eu jamais havia imaginado.

Foto - Aline Lima

Sofri e senti tristeza ao ver cada cela, cheias de desenhos, fotos de revistas, frases...
Senti um vazio muito grande ao saber que pessoas viveram anos naquele lugar.
Só vendo pra ter noção do que é aquilo.

Depois fui conhecer o Centro de Observação Criminológica e Triagem - COT, que, aí sim, tinha pessoas nas celas e tudo mais.
Tudo isso é muito igual e diferente de quando você vê em um filme. É uma sensação incrível demais, estou sem palavras. Eu olhava aquelas pessoas nas celas, tanto mulheres quanto homens, e ficava me perguntando o que aconteceu...

Tomei coragem e comecei a conversar com uma mulher, que me contou um pouco da sua história, sobre o tráfico de drogas, sobre seus filhos...

Foto - Aline Lima
Tudo ao meu redor estava cercado por grades fortes, por prisões físicas, mas, principalmente, tudo estava cercado por uma prisão psicológica infinita.

Eu não fazia ideia do que as pessoas tinham feito para chegar àquela situação, mas eu queria que elas pudessem se redimir e ir para casa. Naquele momento não existe sorriso, luz ou felicidade. Eu senti tudo, menos esses sentimentos bons, que tranquilizam.

Eu viveria tudo de novo, mas é uma experiência chocante.




quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Dia ruim


"Porque você teve um dia ruim
Você está se sentindo para baixo
você canta uma música triste apenas para mudar isso

Você diz que não sabe
Você diz para mim "não minta"
Você força um sorriso e dá uma volta de carro

Você teve um dia ruim
A câmera não mente
Você está para baixo e na verdade não se importa

Você teve um dia ruim
Você teve um dia ruim"

(Daniel Powter)


Mas é hora de relaxar... Dias ruins também passam!

Mais

Simplesmente porque me envolve de uma maneira...

Eu não quero voltar para a vida real.


"Mais."

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

='/

Me bateu um desânimo da vida agora...

Uma tristeza, um vazio...

Só peço uma coisa: Por favor, não me deixa sofrer de novo.



Estou tão cansada e não sei quanto eu consigo aguentar... A vida em si já está tão difícil.

Que esse sentimento passe com o amanhecer... Que passe com o amanhecer...

='/

Me traduz.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Tinha que vir para o blog

Segunda-feira já tem má fama. Claro, não é por mal, é que realmente a galera acha que segunda é um dia daqueles.
Queremos tudo no mundo: dormir, comer, assistir, ler... Menos encarar uma segunda.
Não tenho lá muitos problemas com esse dia. geralmente estou cansada, mas não fico carrancuda.

Mas, hoje, é um dia especial. Ou melhor, nada especial.

Acordei 5 horas da matina, morrendo. Dormi mais um pouco, acordei pior.
Levantei cambaleando, meio irritadinha... Mas é só tomar um copão de água gelada que fico bem.

Enquanto eu ia pra universidade esse dia já deu sinais de que não seria dos melhores.
O busão lotado, normal, e eu lá no meio da galera. Uau, isso as vezes é uma aventura.
O ônibus chaqualha daqui, pula dali... Isso nunca dá certo.
Eu estava tranquila quando de repente:

- Bléééééé! Cof cof blééééé!

Ui, que nojo.

Não sou uma pessoa muito fresca, mas jogar o café da manhã na minha frente, dentro de um ônibus explodindo de gente, realmente não é o melhor bom dia que alguém poderia me dar.

Sério, quis morrer.

Tenta imaginar a cena: Eu, verde, tentando sair dali.

Sinceramente eu não sabia se sentia pena ou raiva do menininho que passava mal.
Depois decidi de quem sentia raiva: da mãe dele.
Como pode a pessoa enfiar o piá no ônibus lotado, em um lugar que ele nem consegue respirar direito? Deu no que deu.

Um amigo de infância estava comigo, indo pra facul também, e a gente só conseguia dar risada da situação. Mas eu gargalhava. Sério, eu ria pra não chorar.
Poxa, o caminho é tão longo e lidar com aquela situação era algo tão difícil.

Eu ria, ria, ria, ria. Umas pessoas em volta da gente ria junto. Outras fechavam a cara (medo).

Depois disso o dia seguiu agitado... Não sei porque a vida está assim hoje. Loucura total.
Fiz uma lista de coisas para fazer e já tem 10 ítens. Coisas trabalhosas, sabe?



Nunca fui uma pessoa chata com segundas-feira. No domingo a noite bate uma mini-deprê, mas sempre estou disposta a começar a semana bem.

Mas olha, hoje tá difícil.
Espero, realmente, que as coisas fiquem bem. Aff :D

"Hoje eu só quero que o dia termine bem..."

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

A vida é tão rara

"Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma

Até quando o corpo pede um pouco mais de alma

A vida não para.

Enquanto o tempo acelera e pede pressa

Eu me recuso, faço hora, vou na valsa

A vida é tão rara"



A vida é tão rara.


Lenine - Paciência

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Um dia bonito

É um dia bonito até. Céu quase limpo, clima agradável.
A cidade parece estar em seu perfeito funcionamento.
Carros vão, carros voltam.
As casas têm suas janelas abertas, mães levam seus filhos pequenos para a escola.
Na calçada, muita gente anda despreocupada.
Uma garota bonita, com calção curto e blusa colada leva seu cachorro estrassado para passear.
O rapaz de terno e com uma pasta preta anda apressadamente, o semáforo vai fechar.
A fila do mercado demora um pouco, mas a moça do caixa se esforça para parecer feliz e sorri a cada novo cliente que lhe diz boa tarde.
A adolescente apaixonada lê o livro romântico e suspira com os "eu te amo" que as páginas revelam. Sua cabeça simplesmente não está neste planeta. Ela sonha acordada e deseja encontrar alguém para retribuir carinhos.
Os carros passeam pelas ruas anunciando que os sonhos que estão chegando. Sonhos de nata, doce de leite, leite condensado e goiabada.

O dia lá fora realmente parece estar bonito.
A  garota continua ali, deitada na cama esperando a medicação acabar.
Sente um leve desconforto, mas está animada ao pensar que um dia, quem sabe em breve, ela poderia ir lá fora e fazer parte desses dias bonitos.
Há tempos não ia lá fora, só via o sol de longe, espiando pela janela.
Sente vontade de correr, mas suas pernas estão fracas e acha melhor ficar deitadinha, sem ficar tão triste.

A pequena olha toda aquela cidade funcionando e alimenta sua esperança de viver toda aquela perfeição. Mas agora ela vai dormir... O remédio lhe deu sono e ela espera estar disposta para quando esse dia incrível chegar.



"Eu quero dançar... amar... e dançar de novo!"


terça-feira, 11 de setembro de 2012

Perfeita


Chego devagar e dou passos tranquilos.

Foto: Aline Lima

Não sei exatamente para onde vou amanhã, mas hoje quero muito ficar nesse cantinho escondida.
Sei que amanhã pode ser diferente e que a chuva deve voltar.
Se eu estiver aqui, estarei bem outra vez.
Estou me sentindo completa.
O vento está aqui, as flores estão acordando e tudo parece compôr uma harmonia perfeita.

Uma simples harmonia. Perfeita.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Outro planeta

Eu deveria estar dormindo. Já sei disso.

Já escrevi no blog hoje e voltei com uma vibe bem diferente. Droga, como isso acontece tanto?

Ando meio distraída nos últimos dias. Estou lendo uns livros que me inspiram e me tiram do planeta terra.

Fico lendo o máximo que posso só para ver se a história tem o final feliz que eu tanto desejo que tenha.

Pelo menos nessas histórias o mundo é atordoado, mas, quem sabe, as coisas dão um pouco certo.

Detesto vir para o blog quando estou me sentindo assim.

Sei lá, meus posts ficam meio tristes. Depois leio e não me reconheço neles. Estranho demais.

Mas aqui parece aquela casa da árvore para mim. Sabe o canto para onde você foge quando você tem a sensação de dizer "A" e o mundo entender "B"?

Corro pra cá.

Apesar de fazer tempo que não me sentia meio assim, há tempos que eu não posso colocar para fora.

"- Engula, engula e ficará tudo bem." Diz meu consciente tentando me distrair.

Gosto de escrever porque parece que assim não atinge ninguém. É como se eu tivesse a oportunidade de dizer, mas ninguém precisasse ouvir.

Nasci com a irritante mania de não me acomodar com as coisas que me incomodam. E vou cutucando, cutucando, cutucando... Até a pessoa não querer mais ouvir e mudar o foco da conversa.

Por que eu sou assim?

Sou complicada por querer o mundo perfeito dos livros. Só não consigo colocar em minha cabeça que a vida aqui fora é bem menos excitante.

Nesse momento realmente estou chateada e queria ficar sozinha sentada em um campo bem extenso, com muita grama, um sol se pondo e as estrelas apontando no céu imenso acima de mim.

Queria ficar sozinha ouvindo minhas músicas preferidas em uma praia com o som do mar envolvendo meus sentidos.

Realmente estou chateada a ponto de sonhar em ir para outro lugar...

Sei que isso passa e pela manhã eu estarei com sono e pensando em outras coisas...

Mas neste momento realmente estou me sentindo assim... querendo estar aqui, sozinha, dizendo a ninguém o que se passa comigo.



Se assim me serve de consolo, eu me amo e quero me fazer feliz.

Se assim me serve de consolo, eu me amo e desejo ter um final feliz.

Se assim me serve de consolo, meu amor por mim e por você é grande, mas me olho e sinto que posso me corresponder, independentemente se estou cansada e com vontade de dormir.

E termino dizendo que realmente estou chateada e gostaria de estar sozinha, num banco de uma praça, vendo essa vida estranha passar. Com meus livros, as histórias e a vontade de estar em outro planeta.


quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Ela se apaixonou

Ela se sentia.

A cada frase que ia lendo, sua mente voava longe, voava sem limites.

Sua imaginação construiu um universo, um rosto, um sentimento, um desejo.

A cada palavra, seu coração se tornava uma criança.

Ela estava pronta para ler mais, se soltar mais, gostar mais.

Sua cabeça girava e seu rosto tinha um sorriso diferente.

Ela se apaixonou.

Ela chorou.

Sorriu, amou.

Neste momento sua vontade de continuar ali, escondidinha espiando aquela linda história de perto, é maior que viver sua vida real.



Sua vontade é sair correndo, gritando e mostrando a todos que sim, ela pode ver, sentir, beijar e tocar cada palavra.

Hoje seu coração está inquieto.

Tudo o que ela quer é voltar para esse mundo, onde a dor, o carinho, a transformação, o prazer e o amor são constantes. São reais. São apaixonantes.



segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Ler?

Ler?

Ler liberta.

Há tempos eu não me sentia livre como posso me sentir hoje.

As páginas me levam e tudo se torna novo.

Preciso me libertar mais. Até.


Aline Lima