quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Outro planeta

Eu deveria estar dormindo. Já sei disso.

Já escrevi no blog hoje e voltei com uma vibe bem diferente. Droga, como isso acontece tanto?

Ando meio distraída nos últimos dias. Estou lendo uns livros que me inspiram e me tiram do planeta terra.

Fico lendo o máximo que posso só para ver se a história tem o final feliz que eu tanto desejo que tenha.

Pelo menos nessas histórias o mundo é atordoado, mas, quem sabe, as coisas dão um pouco certo.

Detesto vir para o blog quando estou me sentindo assim.

Sei lá, meus posts ficam meio tristes. Depois leio e não me reconheço neles. Estranho demais.

Mas aqui parece aquela casa da árvore para mim. Sabe o canto para onde você foge quando você tem a sensação de dizer "A" e o mundo entender "B"?

Corro pra cá.

Apesar de fazer tempo que não me sentia meio assim, há tempos que eu não posso colocar para fora.

"- Engula, engula e ficará tudo bem." Diz meu consciente tentando me distrair.

Gosto de escrever porque parece que assim não atinge ninguém. É como se eu tivesse a oportunidade de dizer, mas ninguém precisasse ouvir.

Nasci com a irritante mania de não me acomodar com as coisas que me incomodam. E vou cutucando, cutucando, cutucando... Até a pessoa não querer mais ouvir e mudar o foco da conversa.

Por que eu sou assim?

Sou complicada por querer o mundo perfeito dos livros. Só não consigo colocar em minha cabeça que a vida aqui fora é bem menos excitante.

Nesse momento realmente estou chateada e queria ficar sozinha sentada em um campo bem extenso, com muita grama, um sol se pondo e as estrelas apontando no céu imenso acima de mim.

Queria ficar sozinha ouvindo minhas músicas preferidas em uma praia com o som do mar envolvendo meus sentidos.

Realmente estou chateada a ponto de sonhar em ir para outro lugar...

Sei que isso passa e pela manhã eu estarei com sono e pensando em outras coisas...

Mas neste momento realmente estou me sentindo assim... querendo estar aqui, sozinha, dizendo a ninguém o que se passa comigo.



Se assim me serve de consolo, eu me amo e quero me fazer feliz.

Se assim me serve de consolo, eu me amo e desejo ter um final feliz.

Se assim me serve de consolo, meu amor por mim e por você é grande, mas me olho e sinto que posso me corresponder, independentemente se estou cansada e com vontade de dormir.

E termino dizendo que realmente estou chateada e gostaria de estar sozinha, num banco de uma praça, vendo essa vida estranha passar. Com meus livros, as histórias e a vontade de estar em outro planeta.


Nenhum comentário:

Postar um comentário