quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Um dia bonito

É um dia bonito até. Céu quase limpo, clima agradável.
A cidade parece estar em seu perfeito funcionamento.
Carros vão, carros voltam.
As casas têm suas janelas abertas, mães levam seus filhos pequenos para a escola.
Na calçada, muita gente anda despreocupada.
Uma garota bonita, com calção curto e blusa colada leva seu cachorro estrassado para passear.
O rapaz de terno e com uma pasta preta anda apressadamente, o semáforo vai fechar.
A fila do mercado demora um pouco, mas a moça do caixa se esforça para parecer feliz e sorri a cada novo cliente que lhe diz boa tarde.
A adolescente apaixonada lê o livro romântico e suspira com os "eu te amo" que as páginas revelam. Sua cabeça simplesmente não está neste planeta. Ela sonha acordada e deseja encontrar alguém para retribuir carinhos.
Os carros passeam pelas ruas anunciando que os sonhos que estão chegando. Sonhos de nata, doce de leite, leite condensado e goiabada.

O dia lá fora realmente parece estar bonito.
A  garota continua ali, deitada na cama esperando a medicação acabar.
Sente um leve desconforto, mas está animada ao pensar que um dia, quem sabe em breve, ela poderia ir lá fora e fazer parte desses dias bonitos.
Há tempos não ia lá fora, só via o sol de longe, espiando pela janela.
Sente vontade de correr, mas suas pernas estão fracas e acha melhor ficar deitadinha, sem ficar tão triste.

A pequena olha toda aquela cidade funcionando e alimenta sua esperança de viver toda aquela perfeição. Mas agora ela vai dormir... O remédio lhe deu sono e ela espera estar disposta para quando esse dia incrível chegar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário